Patrono: João Dias Monteiro

JOÃO D’OLYVEIRA nasceu, em Taubaté-SP, na antiga Rua Augusta, aos pés do Cristo Redentor...um dia antes de Brasília. É filho de Benedito e Thereza. Irmão de Pedro e Jorge. Afilhado de Jorge Guerreiro e Maria de Jesus. Pai “xonado” pelo filho Daniel, pelos sobrinhos e sobrinhos-netos, e por seus amigos. Seus estudos primários ocorreram na Escola Marcondes de Matos, o “Grupão” do Bosque da Saúde. O Ginasial, na Escola Dom Pereira. O Colegial, na Escola Monteiro Lobato, o “Estadão”. Aos 11 anos, viu o pai embarcar para outra esfera de vida; aos 45, foi a vez de ver a mãe. Desde muito jovem, acredita no retorno para a eternidade. A vida profissional, com “carteira assinada”, teve início aos 14 anos. Na vida comunitária, foi catequista e agitador cultural. O gosto pela leitura e pela escrita vem da infância. O primeiro livro lido foi “Jean qui grogne et Jean qui rit”, da Condessa de Ségur. Em 1977, durante a Ditadura, escreveu seu primeiro texto de teatro: “Na Casa da Tia Nésia”, uma comédia social para adultos. Na Polícia Federal de São Paulo, “justificou” sua escrita, que, em 1978, foi liberada para apresentações, com a tarja de “censura para menores de 21 anos”. Em 1978, fundou seu próprio grupo de teatro: o “Geminimagia”. Antes, havia sido membro do “Aquarius” e do “Zeus”, que, assim como o “Geminimagia”, são grupos veteranos de teatro de Taubaté. Em sua dramaturgia, temos 23 peças escritas e 14 montadas, além de adaptações da obra de Monteiro Lobato. Dentre suas peças, “As aventuras do Pequeno Caiuá” (Musical para crianças), com tournée regional, em 2006, e “Ópera Vitae” (Musical Realista), uma adaptação livre da obra Dom Casmurro, de Machado de Assis, com tournée estadual, de 1997 a 2000. Destaque para “501 anos de Besteirol”, em cartaz no Teatro Maria Della Costa, em 2001, e “Deu Maromba na Maroma”, em cartaz no Teatro Ruth Escobar, em 2003, ambas com tournée nacional. Graduou-se, em Letras pela Unitau e em Pedagogia pela UNG. Especializou-se em Língua Portuguesa, pela Unitau, e em Artes Cênicas, pela Faculdade Paulista de Arte. Obteve o grau de Mestre, em Linguística pela Unicsul e de Mestre em Comunicação pela Anhembi Morumbi. Atua como Professor de Língua Portuguesa desde 1981. Foi Coordenador Pedagógico da Associação São Vicente de Paulo de 1991 a 2002. Na Unitau, atuou como Professor, Revisor de Textos, Diretor de Teatro Universitário e Supervisor Pedagógico da Reitoria. Na FASC, de Pindamonhangaba, atuou como Professor de Língua Portuguesa e de Literatura Dramática, de 2000 a 2012, nos cursos de Teatro, Plásticas e Música. Atualmente, encontra-se no exercício do cargo de Assessor Técnico da Reitoria da Unitau, onde também Coordena o Curso de Especialização em Artes - Linguagens Artísticas Integradas - e responde, como professor, pelo módulo Palavras em Movimento, com ênfase na produção escrita do texto teatral. É Pesquisador do Grupo “Teorias e Práticas Discursivas e Textuais”, e membro do Grupo de Estudos “A Verbo-visualidade: Hibridismos em Gêneros Discursivos”, ambos vinculados ao Programa de Pós-graduação em Linguística da Unicsul de São Paulo. É Ator e Diretor de Teatro, com registro reconhecido pelo Ministério do Trabalho e pelo Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão de São Paulo. É Dramaturgo, Blogueiro e Compositor Letrista. Quanto às crônicas, aos contos e aos poemas, todos eles estão publicados no Blog “As Aventuras Sentimentais de Heleu”. João iniciou nas Artes Cênicas em 1975; na Educação, em 1981; na arte-educação, em 1997. Resume-se no seguinte pensamento de Clarice Lispector: "Sou sempre eu mesmo, mas com certeza não serei o mesmo para sempre”.

Tomou posse, como Membro Titular da Academia Taubateana de Letras, ATL, no dia  02 de junho de 2017, ocupando a Cadeira nº 10, Patrono: João Dias Monteiro.