VII Festival da Cultura Icoense - ICOZEIRO 2017

Maria Marlene Nascimento Teixeira Pinto - 3º lugar

 

Poesia - Nostalgia

 

Deitada no sofá da sala,

imóvel, semidesperta,  sem esboçar um gesto sequer,

ouço o tique-taque cadenciado do relógio,

pendurado, na fria parede da sala,

girando sem parar, qual ventoinha,

carregando consigo as horas agonizantes,

as horas mortas!

 

O tempo inexorável vai passando célere,

enquanto a  saudade vem se aninhando,

sem se anunciar,

me envolvendo toda,

nos seus braços, nos seus abraços,

nos vazios que jazem em mim.

 

Um amor, que se foi há muito, se faz presente...

Lágrimas teimosas teimam em cair,

tracejando as gelhas do meu rosto

que o tempo desenhou,

alheio aos meus repentes.

Tento detê-las, nas suas trajetórias.

Não, não consigo! Inútil! Tarde demais.

A solidão se apossa de mim,

me envolvendo com os seus tentáculos.

O silêncio  ecoa  no espaço sem fim...

No abandono de mim mesma,

me entrego, resignada, às minhas dores,

às minhas certezas de que jamais...

Seremos um!